fbpx
Pivotar

Pivotar: como falhar rápido na jornada do empreendedor

Sumário

Quando falamos em falhar, automaticamente vem um sentimento ou até lembrança de algo negativo. De fato, falhar não é algo prazeroso, mas é uma etapa importante e em constante repetição, ainda mais quando se está na jornada do empreendedor. Até dá para tentar escapar e estudar ao máximo o erro de outros donos de negócio para não repeti-los, mas será impossível não cometer alguns erros ao longo do caminho. É por isso que é tão importante saber como falhar rápido e pivotar um negócio.

O que é pivotar?

O verbo pivotar tem origem no futebol de salão, no qual um dos jogadores é o pivô. O profissional que ocupa essa função precisa saber parar uma bola e encontrar novas oportunidades de ataque ao mesmo tempo em que gira sobre o próprio eixo. É exatamente uma das habilidades que um negócio, e consequentemente o empreendedor, precisa desenvolver. 

Para ficar mais claro, pivotar um negócio seria conseguir avaliar como está o andamento dele e se identificados problemas no atual curso, ter a capacidade de enxergar outras possibilidades para seguir um novo caminho que faça mais sentido. A prática, por sinal, é mais comum do que se pode imaginar: segundo o Mapa das Fintechs Visa, cerca de 77% das startups brasileiras já pivotaram em algum momento. No entanto, isso não significa que é fácil e, para ajudar nessa questão, confira abaixo dicas de como fazer.

Como pivotar um negócio durante a jornada do empreendedor?

Pivotar um negócio nada mais é do que falhar rápido, ou seja, não ter medo de arriscar, mas também ficar bem atento aos resultados. Uma vez que a iniciativa se mostre infrutífera ou negativa, é hora de mudar rapidamente. Mas como saber qual é esse momento na jornada do empreendedor?

Como saber se é hora de pivotar?

Nunca pivotar pode ser ruim e levar a empresa direto para o buraco, mas pivotar sem parar também pode fazer com que ela não tenha foco nenhum e nunca saia do estágio inicial. É por isso que é tão importante entender qual o momento certo para tomar a decisão de mudar o rumo do seu negócio.

Antes de tudo, é pré-requisito acompanhar muito de perto todos os resultados do negócio, como estão as vendas, o atendimento, o time. Se algo não estiver indo bem, os números serão os primeiros a dar algum sinal. Junto a isso, o empreendedor deve ter um olhar muito atento a tendências do mercado, o que os concorrentes estão fazendo e como os clientes estão se comportando. Essas informações poderão ser um ótimo termômetro de oportunidades que estão surgindo e que valem a pena apostar.

Não é segredo que há vários casos famosos de empresas líderes nos setores que perderam esse momento e ficaram para trás. Talvez o mais emblemático seja o da Blockbuster, maior locadora de vídeos do mundo no final da década de 1990. A gigante se acomodou e não percebeu a tempo outras demandas do mercado e do público, entre elas o serviço de entrega de DVDs, oferecida pela Netflix, que acabava de começar. Junto a esse cenário, a empresa começou a acumular dívidas no início dos anos 2000 e teve seu fim poucos anos depois. 

Um dos fatores mais importantes nesse momento da jornada do empreendedor é o comportamento dos clientes, afinal é para solucionar um problema que eles enfrentam que o seu negócio existe. Por isso, é recomendado que toda empresa tenha um canal de comunicação muito aberto com o público, talvez até fazendo pesquisas esporádicas que possam detectar algum tipo de tendência nesse sentido. No caso da Blockbuster, por exemplo, um olhar mais atento poderia ter indicado uma preferência dos clientes por receberem vídeos por demanda.

Planejamento para pivotar

Pivotar, como dito, é mudar o rumo do seu negócio e, dependendo do caso, isso pode significar algo drástico. Há vários cases de sucesso de empresas que pivotaram e encontraram um caminho muito mais recompensador. Um exemplo é o Youtube, que foi pensado e lançado como um site de vídeo para namoro online. Os problemas na expansão do negócio fizeram os empreendedores perceberem que aquele não era exatamente o melhor caminho e focaram 100% no compartilhamento de vídeos como foco do negócio.

Para fazer esse movimento, no entanto, não é tão simples. Afinal, a gestão da empresa é toda afetada por isso, principalmente o plano de negócios e o planejamento estratégico. Por isso, o passo anterior de identificar tendências e novos rumos deve ser feito com muito cuidado e com muitos dados que embasem essa decisão.

Uma vez identificada a oportunidade para pivotar o negócio, é preciso fazer o planejamento do zero, ou seja, entender exatamente qual a situação da empresa hoje e onde ela quer chegar. Aqui é o momento da jornada do empreendedor de levantar perguntas como:

  • Como será a transição? Aos poucos ou de uma vez?
  • Quais produtos sofrerão alteração primeiro?
  • O público-alvo se mantêm o mesmo?

Depois de definir novos objetivos, chega o momento de estabelecer as metas que ajudarão a medir o progresso alcançado ao longo do tempo assim como guiar o negócio na direção desejada. Um detalhe que não pode ficar de fora nesse planejamento é o limite de tempo para as metas e objetivos serem concluídos, o que dá uma referência para o time.

Cuidados ao pivotar

Já mencionamos algumas boas práticas que devem ser tomadas ao pivotar um negócio, no entanto, há erros que são muito comuns e por isso não devem ser esquecidos ou cometidos. O maior deles é se apegar demais à ideia original e poder impedir o avanço do negócio. Nesse caso, o perigo está em não enxergar sinais negativos que a empresa pode dar ou então não ver tendências do mercado e novos comportamentos dos consumidores. O resultado não será muito diferente do que aconteceu com a Blockbuster.

É por isso que é recomendado ser apaixonado por solucionar um tipo de problema e não necessariamente pela solução e modelo de negócio em si. Afinal, no caso da Blockbuster, por exemplo, o problema a ser solucionado era de ver grandes sucessos do cinema em casa. Se a empresa tivesse se apegado menos ao como – no caso, a locação de vídeos em lojas físicas – e mais no porque, talvez ela não teria deixado passar a oportunidade de adquirir a Netflix e continuaria a fornecer uma solução – independente de qual – para esse problema.