fbpx
mindset de dono, com bruno van enck, da barbearia corleone

Mindset de dono, com Bruno Van Enck, da Barbearia Corleone

Sumário

Criar o seu próprio negócio é passar pela jornada do empreendedor, processo no qual o próprio profissional que está por trás dele se desenvolve e precisa adquirir novos conhecimentos e habilidades, que formam o mindset de dono, uma das teclas mais batidas por Bruno Van Enck, dono da Barbearia Corleone.

Alguns deles são a capacidade de executar ideias, gerir um time em constante crescimento, não desistir fácil, saber ouvir e mais. Apresentando dessa forma parece algo simples, mas na realidade é bem mais complexo.

Saiba executar ideias

Tirar uma ideia do papel é difícil e quem já tentou sabe disso. Afinal, ela pode parecer perfeita dentro da sua cabeça, mas quando é posta em prática dá tudo errado. É por isso que uma ideia excelente não é tão importante quanto pensam, pois o que importa é como fazê-la funcionar, ou seja, a sua execução.

Há diversos passos que podem ser seguidos ao longo da jornada do empreendedor para tirar uma ideia do papel e eles têm tudo a ver com um bom planejamento estratégico. Nessa abordagem, é recomendado que haja muito estudo sobre o mercado e os concorrentes, assim como o público-alvo. Formas de entender melhor a aceitação do produto, por exemplo, são fazendo pesquisas com potenciais clientes e pegar o máximo de feedbacks possível.

Depois desse momento de pesquisa, a ideia poderá sofrer alterações, mas é hora de estabelecer objetivos e estratégias que ajudarão a estruturar os planos para por em prática. Afinal, é talvez na hora de realmente oferecer a solução para o mercado que as mudanças poderão ser maiores. É aqui que clientes podem ter dificuldade com o produto, por isso é essencial estar atento para fazer alterações necessárias sempre que possível e talvez até pivotar completamente o negócio. 

Seja um bom gestor

Quando se fala em ser um bom gestor, o empreendedor deve entender que isso não se limita a uma área do conhecimento, mas à empresa como um todo. Em outras palavras, é preciso saber gerir finanças, projetos e mais, principalmente no início da jornada do empreendedor em que o time é enxuto e poucos são responsáveis por tudo.

De qualquer forma, conforme o negócio vai crescendo dá para contar com ajuda na gestão de áreas específicas, mas uma delas é impossível de delegar totalmente. A gestão de pessoas é uma atividade muito particular, pois apesar de ser um gerenciamento como tantos outros, ele é completamente diferente. Isso, porque lida com profissionais, suas expectativas, ambições e frustrações e, como empreendedor, é recomendado saber fazer uma boa gestão de pessoas, uma vez que são elas que compõem a empresa.

Por isso, estudar a fundo sobre gestão é algo que todo empreendedor com mindset de dono deve procurar fazer, pois é um ingrediente indispensável para qualquer negócio.

Comunique-se bem (e saiba ouvir)

A comunicação está muito atrelada ao mindset de dono e à atuação em gestão ao longo da jornada do empreendedor. Não é para menos: se bem feita, pode manter os colaboradores bem informados sobre os passos da empresa, assim como motivados a buscar melhores resultados sempre. Mas se ela não contar com transparência e abertura, por exemplo, pode criar um cenário de muita desconfiança no time, favorecendo inclusive a circulação de fofocas.

A partir de uma comunicação positiva da empresa, os colaboradores podem ser motivados em termos de performance, tanto por poderem ter o próprio trabalho reconhecido como também por se sentirem parte importante da empresa. Isso impacta diretamente na postura deles, que poderão se tornar mais ativos, propondo melhorias para o negócio caso identifiquem um ponto fraco, por exemplo, ou deem ideias de novas tendências que estão surgindo.

Seja resiliente

A jornada do empreendedor conta com muitos revezes e é preciso muita resiliência para não jogar tudo para o alto e desistir da empreitada. Mas ter resiliência não se resume a não desistir do negócio, pois você pode continuar no projeto mas não ter mais o mesmo ânimo ou interesse. Aqui é preciso ir além e tirar dos erros as forças e motivações para continuar. 

Ter resiliência quando o assunto é o próprio negócio tem muito a ver com a forma que o empreendedor olha para a empresa e suas conquistas. Se é de uma forma idealizada, achando que será um conto de fadas essa jornada, é importante ou mudar esse pensamento ou a desilusão será grande e muito provavelmente irá desistir.

Por isso, como dono de negócio é importante enxergar nos erros e nos momentos de maior dúvida o propósito por trás, assim como o aprendizado. Para ter mindset de dono é preciso acreditar no empreendimento e no benefício que ele traz, pois isso será um grande motivador. Ao mesmo tempo, é exatamente nas maiores crises que soluções impensáveis e inovadoras vêm à tona, sendo decisivas para essa jornada.

Em outras palavras, encontrar coisas que o motivem e ao mesmo tempo acreditar no negócio fortalecem a resiliência que todo empreendedor de sucesso deve ter para conseguir ultrapassar todos os desafios que aparecerem.

Seja flexível

Pode parecer um pouco irônico, mas ao mesmo tempo em que é importante persistir no negócio, é igualmente essencial ser flexível quanto a seus rumos. Em outras palavras, se a empresa, o mercado ou os clientes estiverem dando sinais de que algo não está muito bom – como queda no faturamento, novos concorrentes surgindo ou menos volume de compras -, é preciso ouvir e entender qual o cenário atual e suas possibilidades.

É aqui que é importante avaliar se a empresa precisa ser pivotada e mudar completamente sua área de atuação ou se é algo mais pontual, como uma nova tecnologia que pode ser instalada no site da marca. Qualquer uma das situações exige flexibilidade por parte do empreendedor, que de alguma forma terá que abrir mão de como o negócio estava e aderir a novas estratégias.

É por essa necessidade de ser flexível que é comum ouvir dizer que no mindset de dono o ideal não é ser apaixonado pela empresa ou pela solução oferecida, mas sim pelo problema. Afinal, o problema a ser resolvido é sempre o ponto de partida e enquanto ele existir haverá formas diferentes de solucioná-lo – algumas mais eficazes, outras menos.

Aceitar a falha é parte do processo de evolução

Falamos sobre processo criativo para resolução de problemas. Tem tudo a ver com aceitar o fracasso.

O ponto central aqui é entender que falhas, erros de continuidade no meio do percurso, são totalmente inerentes ao processo de amadurecimento. Seja ele de um negócio, pessoal, de um desafio específico. Vai acontecer.

Mas você não pode morrer abraçado nas suas convicções em um mundo que sabemos que nosso tempo é finito. Falhar não é sinônimo de não tentar.

Falhar está totalmente ligado a tentar e corrigir rota. Por isso falhe, mas falhe rápido. Porque é com um volume grande de tentativas que a gente vai adquirindo o repertório necessário para aprender uma coisa e outra ali. A não cair nas mesmas armadilhas.

Isso serve diretamente para uma coceirinha que todo mundo deve ter quando o assunto é pedir ajuda. A rejeição. Realmente, aqui o intuito não é falar que o mundo é cheio de flores e aberto à ajuda sempre que requisitada. “Olha, preciso de R$ 100 mil. Concedido”.

Não é sobre isso. É sobre se abrir para a possibilidade, porque ela é um ato de coragem. Atos de coragem tendem a atrair oportunidades e coisas boas. Mas lidar com a rejeição é também um processo que está intrínseco ao se expor.

Por isso que é tão importante tentar desmistificar a falha, o fracasso. Vai doer, não tire isso do jogo. E cada um tem seu tempo para processar o que isso significa. Nada mais justo. Mas é uma questão de perspectiva: ou você entende que você deu uma tacada errada e que tudo está perdido, ou você entende que você deu sim também uma tacada errada e agora sabe por onde não errar mais.

De todo fracasso ou conquista vem um aprendizado. Da conquista, os grandes nomes do esporte, como Michael Jordan e Pelé, dizem que é o alívio. Do fracasso, a capacidade da mutação, da reflexão interna, de se olhar um pouco mais analiticamente – hábito que as pessoas deveriam praticar mais.

Rupturas são importantes na vida. Talvez não sejam o que queremos, mas elas sempre nos levam para um novo lugar. E novos lugares sempre são uma oportunidade de fazer as coisas diferentes. Inclusive de pedir ajuda de novo e não ter que lidar com a rejeição.

Ouse. Vença a desconfiança.

Você deve entender que você não precisa sofrer nem sobreviver e, sim, tem o direito à escolha, direito a escolher uma maneira de viver bem primeiramente consigo, com seus limites, com seu tempo, com o que realmente importa para você e com pessoas ao seu redor dispostas a cobrirem tua retaguarda quando for preciso.