fbpx
o que é nft

O que é NFT e como o conceito muda as regras do jogo

Sumário

US$ 69 milhões em uma obra digital? Um volume de vendas de contratos não fungíveis de mais de US$ 2 bilhões só em 2021? O que é NFT? O que é esse conceito que está movimentando o mercado? 

NFT significa non-fungible token, ou em tradução livre, tokens não fungíveis. Algo fungível significa “passível de ser substituído por outra coisa de mesma espécie, qualidade, quantidade e valor”. Ao contrário, os NFTs são “não fungíveis”, o que significa que ele tem valor e características únicas.

Pense nos tokens não fungíveis como um selo que autentica qualquer tipo de contrato. Esse selo não apenas garante quem é o autor por detrás desse contrato, como também mostra todo o histórico de transações por trás dele, de uma forma que não pode ser apagado ou modificado. Ou seja, você também conhece quem é o dono atual deste acordo.

Isso é possível por conta do registro de cada token no blockchain. Ao conectar um contrato à rede descentralizada, é o mesmo que registrar digitalmente um código que ficará imutável. Indo para os exemplos, temos as criptoartes, as obras digitais. Um NFT autentica o pintor de uma criptoarte, como também o detentor dela. Ela pode ser reproduzida livremente na “internet pirata”, mas possui propriedade autoral na “internet do valor”.

E só para ficar mais claro: quando se fala em obras digitais, não pense apenas em coisas como a Mona Lisa, ou algo assim. NFTs podem estar atrelados a qualquer coisa que alguém queira – qualquer coisa mesmo. Um NFT de um vídeo do clássico meme do Nyan Cat foi vendido por US$ 500 mil. Na sequência, foi a vez do meme Disaster Girl ser vendido por US$ 480 mil.

Quer saber mais sobre esse mundo?

O que é NFT?

NFTs (non-fungible tokens) são tokens não fungíveis ou, basicamente, um título de propriedade digital que não pode ser fraudado, mas pode ser emitido e negociado totalmente online, de forma eficiente e segura. 

Basicamente, um NFT é capaz de garantir a propriedade sobre um ativo digital ou a autoria e licenciamento de uma obra com segurança no universo digital, frente a assustadora distribuição e reprodução ilegal de conteúdo online.

Tokens em geral (não só os NFTs) rodam em um protocolo ou tecnologia chamada blockchain. De forma resumida, blockchain é um sistema que permite rastrear o envio e recebimento de alguns tipos de informações pela internet. São pedaços de código gerados online, que carregam informações conectadas, como blocos de dados que formam uma corrente.

É esse sistema que permite o funcionamento e transação das chamadas criptomoedas, totalmente criptografadas e descentralizadas. Os NFTs representam, então, uma grande oportunidade para assegurar qualquer tipo de contrato digital, sem intermediários, de forma que ele tenha um registro irrevogável.

A compra e venda se dá por meio de plataformas digitais exclusivas para negociações de NFTs. São marketplaces específicos para esse tipo de token. Os NFTs são precificados e pagos em criptomoedas – em geral, o ethereum. 

“NFTs são compatíveis com qualquer coisa construída usando Ethereum. Um ingresso NFT para um evento pode ser negociado em qualquer marketplace da Ethereum, por um NFT completamente diferente. Você pode trocar uma obra de arte por um ingresso”, explica o site da Ethereum.org. “Os itens podem ser usados ​​de maneiras surpreendentes. Por exemplo, você pode usar arte digital como garantia em um empréstimo descentralizado.”

Quem deseja transacionar um NFT deve ter uma conta em uma dessas plataformas, associada à sua própria carteira digital – onde estão as criptomoedas -, que viabiliza as transações.

Por que essa tecnologia vale tanto? O que você pode comprar com NFT?

O blockchain consegue reverter a “internet pirata” para a “internet do valor”. Você passa a assegurar propriedades digitais. Uma obra de arte, por exemplo. Ela pode circular à vontade na Internet. Serão cópias. A autenticação dela, sempre, será sua. Você terá a obra digital original.

De acordo com a Nasdaq, o volume de vendas de NFTs, só no primeiro semestre de 2021, atingiu US$ 2.5 bilhões.

Os mais famosos NFTs são de criptoarte, como fora citado acima. Elas podem ter um teor visual, musical, literário ou audiovisual. Existem vendas até de obras físicas, cuja titularidade é garantida por contratos NFTs. Não só isso: também são vendidos tweets de celebridades, memes e códigos de programação famosos. Sem falar nos esportes, com trechos de jogadas emblemáticas, ao entretenimento, em especial games, que possuem NFTs de personagens, skins, armas e artefatos.

Talvez o exemplo mais famoso de NFT, cuja notícia de aquisição rodou o mundo, seja o quadro digital do Beeple, criptoartista, vendido por US$ 69 milhões em um leilão da Christie’s, em março deste ano.

Além desse, os NBATopShots têm gerado grande interesse nos fãs de basquete. Na plataforma, você consegue adquirir trechos em vídeo de momentos históricos do esporte, que são oficialmente licenciados aos seus adquirentes, para que criem sua coleção online. É uma espécie de evolução das figurinhas raras. 

Um NFT não precisa necessariamente ser um meme ou uma obra de arte digital. Algo visual. Pode ser uma reportagem ou mesmo um livro. Como, nesse caso, o objeto representado pelo NFT não está realmente armazenado no blockchain, escritores podem personalizar a maneira como a venda de seus NFTs representam sua arte. 

Um escritor pode fazer com que a capa de seu livro se torne um contrato NFT e depois o venda como um arquivo completo e diagramado no formato PDF – exclusivo ou para todos os interessados. O escritor Rex Shannon está lançando cada página de seu romance CPT-415 como um NFT, e cada página é disponibilizada ao público assim que é vendida – funciona essencialmente como uma patronagem que escala, cada comprador ajudando a financiar o acesso a um corpo contínuo de trabalho.

De forma mais criativa, a escrita NFT também pode reformar a relação, de outra forma tida como certa, entre o leitor e o escritor. O artista italiano Brickwall dirige um projeto de escrita colaborativa chamado The Chaintale, onde comprar o NFT mais recente da série dá a você o direito de escrever o próximo capítulo. 

Um e-book, por exemplo, funde o formato da impressão com o digital. É possível que vejamos um caminho em direção a novas formas digitais de organizar informações e criar narrativas. É um lugar para os escritores experimentarem a forma, publicarem e ganharem dinheiro direta e instantaneamente, sem quaisquer intermediários de mídia. Os criadores podem construir seu sistema de distribuição como quiserem. 

As possibilidades são imensas e ilimitadas e a criatividade e os interesses do mercado ainda vão dizer qual desses ramos vai se provar o mais rentável e procurado de todos.

NFT e o conceito de escassez digital

NFT inaugura o conceito de escassez digital, algo antes impossível de se garantir tecnicamente. Por que comprar algo que pode ser visto de graça?

Pelo mesmo motivo que se compram quadros ou até chuteiras e guitarras autografadas. Estes itens físicos e raros podem ser expostos, mas eles pertencem à sua coleção e a de mais ninguém. 

É como diz a Ethereum.org: “Será que pesquisar no Google uma imagem do Guernica, de Picasso, faz de você o orgulhoso novo proprietário de uma peça multimilionária de história da arte?”

A diferença dos NFTs é que a ideia de coleção (e até de valor) deixa de estar restrita a itens raros do mundo físico e passa a explorar as oportunidades das raridades ou colecionáveis digitais.

Mesmo que possam ser vistos de graça e online, além da titularidade do NFT ser sua, você tem a capacidade de dispor do mesmo, ou seja, dependendo de sua valorização no mercado, pode ser um belo investimento.