fbpx
algoritmo do youtube

Como funciona o algoritmo do Youtube?

Sumário

Muitos criadores de vídeos consideram o algoritmo do Youtube um mistério completo – um poder superior que governa suas contagens de visualização, completamente fora de seu controle.

Eles acreditam que não há como entender como esse algoritmo funciona. Afinal, é um dos segredos mais cuidadosamente guardados da plataforma. Exceto que não é.

Em um artigo de pesquisa publicado em 2016, um grupo de engenheiros do Google compartilhou seus planos de como os vídeos poderiam ser exibidos por meio do mecanismo de recomendação do Youtube para uma melhor experiência do usuário.

Embora não tenha chamado muita atenção na época, tem muita relevância para o Youtube de hoje, uma vez que, de acordo com o diretor de produtos do Youtube, 70% das visualizações da plataforma agora vêm por meio desse mecanismo de recomendação.

Grande parte da discussão sobre como obter visualizações no Youtube concentra-se no SEO da estrutura, redes sociais e obtenção de novos inscritos. Embora contribuam para a descoberta de seus vídeos, por si só não desbloqueiam a maior parte das visualizações que você pode obter do mecanismo de recomendação do Youtube (por meio da página inicial do Youtube e das sugestões “recomendadas para você”).

Se você deseja obter mais visualizações a longo prazo, precisa entender algumas coisas sobre como o algoritmo do Youtube funciona.

Como funciona o algoritmo do Youtube

Neste artigo de pesquisa publicado pelos engenheiros do Google Paul Covington, Jay Adams e Emre Sargin, eles analisam os sinais que usam para classificar vídeos para recomendações do Youtube:

  • Taxa de cliques (probabilidade de alguém clicar em seu vídeo depois de assisti-lo)
  • Tempo de exibição (a quantidade combinada de tempo que os espectadores passam assistindo seus vídeos)
  • Quantos vídeos o usuário assistiu em seu canal
  • Há quanto tempo o usuário assistiu a um vídeo sobre este tópico
  • O que o usuário pesquisou no passado
  • As informações demográficas e a localização do usuário

Os primeiros três sinais são os únicos que você pode influenciar diretamente. O resto depende de fatores externos ao seu canal para personalizar a recomendação.

Esses engenheiros do Google até afirmam que seu objetivo final de classificação é “geralmente uma função simples do tempo de exibição esperado por impressão. A classificação por taxa de cliques muitas vezes promove vídeos enganosos que o usuário não conclui (‘clickbait’), enquanto o tempo de exibição captura melhor o engajamento”.

O YouTube está penalizando apenas quem promete demais antes do clique e entrega um conteúdo decepcionante depois dele. A taxa de cliques continua tão importante como sempre. Afinal, você não pode gerar muito tempo de exibição para a plataforma sem primeiro receber cliques.

Você pode até ver essas prioridades refletidas no Youtube Studios. Na guia “Alcançar espectadores”, você pode ver as seguintes métricas, que juntas ilustram a nova ênfase do Youtube na taxa de cliques e no tempo de exibição:

  • Impressões: quantas vezes as miniaturas de seu vídeo foram mostradas aos espectadores como um vídeo recomendado, na página inicial ou nos resultados de pesquisa.
  • Origens de tráfego para impressões: onde no Youtube as miniaturas de seu vídeo foram exibidas para espectadores em potencial.
  • Taxa de cliques (CTR) de impressões: a frequência com que os usuários assistiram a um vídeo depois de ver suas miniaturas (com base nas impressões conectadas).
  • Visualizações de impressões: mede a frequência com que os espectadores assistiram a seus vídeos depois de assisti-los no Youtube.
  • Tempo de exibição a partir de impressões: tempo de exibição originado de pessoas que viram seus vídeos e clicaram neles no YouTube.

Repensando o “clickbait”: a relação entre a taxa de cliques e o tempo de exibição

Nos últimos anos, você provavelmente já viu artigos sobre a guerra do Youtube contra o clickbait, à medida que a plataforma era inundada com miniaturas de vídeo enganosas e títulos exagerados tentando manipular o algoritmo.

Como resultado, o pêndulo oscilou em direção ao tempo de exibição como o principal sinal para garantir a qualidade de um vídeo. Muitos criadores do reagiram abandonando as táticas que os ajudaram a chamar a atenção enquanto competiam contra centenas de horas de conteúdo de vídeo enviado a cada minuto para o Youtube. Só que também não funcionou.

Em uma sessão de perguntas e respostas sobre a priorização de sinais no algoritmo do Youtube, um dos mesmos engenheiros do Google do artigo mencionado anteriormente admitiu: “É uma luta constante, porque principalmente você está combatendo o abuso ao mesmo tempo. Portanto, se você otimizar para taxa de cliques, obterá clickbait, e se otimizar para tempo de exibição, obterá vídeos incrivelmente longos”.

Se um vídeo tem uma alta taxa de cliques, mas gera baixo tempo de exibição, ele é indubitavelmente clickbait. Mas se títulos e miniaturas atraentes fazem as pessoas clicar e assistir seus vídeos, isso não é apenas justo aos olhos do Youtube – é o ideal.

E isso nos leva ao cerne da questão: se você deseja obter mais visualizações por meio do mecanismo de recomendação do YouTube, precisa otimizar seu canal e seus vídeos tanto para taxa de cliques quanto para tempo de exibição.

Conforme o algoritmo do Youtube muda, uma coisa permanece a mesma

Mesmo com a evolução do algoritmo do Youtube, tenha em mente que o objetivo da plataforma permanece o mesmo: fazer com que mais pessoas assistam e se envolvam com mais vídeos. E isso não é tão diferente do seu objetivo.

Apesar de vira e mexe surgirem histórias de influenciadores que faziam vídeos e de repente começaram a ganhar dinheiro, ter um canal de sucesso no Youtube não é fácil e não acontece da noite para o dia, pelo menos não na maioria das vezes. Tanto para quem está começando do zero como para quem pode ter tirado a sorte grande e viralizado nas redes, o melhor caminho é fazer vídeos e publicá-los com bastante cuidado. 

Antes de tudo, é imprescindível ter um planejamento estratégico bem detalhado para o canal. Ele deve conter tanto estudos sobre público-alvo, formatos de conteúdo até definir métricas para acompanhar a evolução da canal e os seus resultados. Para saber tudo sobre o assunto, é recomendado estudar a fundo sobre planejamento estratégico e como começar a ganhar dinheiro no Youtube.

Luz, câmera, ação: como fazer conteúdo para um canal de sucesso

Com uma estratégia definida para o canal, incluindo escolha de temas e a elaboração de um calendário para postagem é hora de planejar as gravações.

Roteiro: a preparação

O roteiro é uma etapa crucial para a produção de conteúdo e subestimar sua importância pode resultar em vídeos desinteressantes ou em trabalho extra na edição deles depois.

Para fazer um roteiro, é ideal que ele tenha um tema bem definido e conte com storytelling, ou seja, uma narração com começo, meio e fim. Isso ajuda imensamente na hora da gravação, pois dá um fio condutor e evita que o conteúdo se perca, por exemplo, se estendendo demais em exemplos ou abordando assuntos que não deveriam ser o foco naquele momento.

Além disso, é no roteiro que ferramentas como os CTAs (calls to action ou, em tradução literal, chamadas para ação) são inseridas. Nesse caso, os CTAs são chamadas simples, mas muito eficientes que levam a audiência tanto para outros conteúdos, como para produtos ou incentivando a interação com o vídeo por meio de curtidas e comentários. É indicado que os CTAs sejam feitos no início, meio e fim do vídeo e que sejam encaixados de forma natural ao roteiro, evitando incomodar a audiência.

Gravação: os equipamentos, treino e cuidados

Para começar, é importante contar com alguns equipamentos que sejam capazes de captar imagem e áudio com uma boa qualidade. Lembre-se: para começar um canal de sucesso, não é pré-requisito um super equipamento, pelo contrário, há produtores de conteúdo que gravam com o próprio celular e um microfone simples. É claro que se você dispor de bons equipamentos de filmagem é recomendado usá-los para ter ainda mais qualidade. De qualquer forma, deve-se certificar que o conteúdo é claro e de fácil compreensão.

É por isso que no momento da gravação é preciso optar por um ambiente bem iluminado e silencioso. Caso contrário, isso poderá comprometer a qualidade do vídeo e prejudicar o conteúdo que está sendo passado.

Outro cuidado do momento da gravação diz respeito a vídeos que contam com apresentadores. Não basta ter um roteiro para conduzir a filmagem, é importante que o apresentador treine bastante o texto e, se possível, o decore para trazer uma narrativa solta e natural, assim como uma dicção clara.

Postagem do vídeo e como otimizar para ter um canal de sucesso no Youtube

Engana-se quem pensa que depois da gravação é só postar o vídeo rapidinho no Youtube e pronto. É bem diferente: o momento de postagem exige muito cuidado e detalhe, exatamente para deixar o vídeo o mais otimizado possível e atraente para a audiência. Confira abaixo como fazer:

Thumbnails

As thumbnails são as imagens de capa do vídeo e elas são as principais responsáveis por atrair interessados para assistir ao conteúdo. Quanto mais chamativas e curiosas mais chances do vídeo ser assistido e crescer em visualizações. Um exemplo são montagens de fotos do apresentador com palavras em destaque, sendo que todos os elementos devem se relacionar com a temática principal do vídeo.

Título, descrição e tags

É nessa parte que a otimização relacionada às palavras-chave entra em ação. Como já dito, é indicado que no planejamento estratégico haja um levantamento das principais palavras-chave relacionadas ao tema do canal. Isso serve para ajudar na elaboração de conteúdos que sejam do interesse do público. 

A partir da palavra-chave do vídeo, é preciso elaborar um título que a ponha em destaque e de preferência logo no começo, assim será identificada pelo buscador e pela audiência de forma mais rápida. Mas atenção: não deixe seu título com um ar robótico (cheio de palavras-chave que às vezes nem fazem sentido entre si), ele precisa ser chamativo e natural.

Já nas tags, as palavras-chave devem ser usadas sem dó nem piedade. Portanto, tente encontrar o máximo de termos que possam ser pesquisados pela audiência que queira achar conteúdos como o que você fez. Quanto mais tags, mais chances do seu conteúdo ser achado, no entanto, nada de adicionar palavras que não se relacionam a ele. Se isso for feito, o vídeo poderá atrair pessoas que não tem interesse nele e, consequentemente, ter uma performance negativa.

Por fim, a descrição do vídeo é outro lugar em que a otimização se faz necessária. Algumas formas de fazer isso é caprichar no texto, contextualizando um pouco sobre o tema sem entregar o conteúdo e ao mesmo tempo instigando interessados a assisti-lo. Ao longo da descrição, é recomendado encontrar formas discretas de incluir as palavras-chave.

Outra dica para otimizar a descrição é incluir timestamps, ou seja, links que pulam o vídeo diretamente para uma parte de interesse do público. Adicionar esses links referenciando cada tema abordado é uma ótima forma de fazer com que o público assista a uma parte do vídeo (ao invés de se cansar e simplesmente ir embora). Além disso, também é uma forma de fazer uma espécie de menu com o nome de cada parte, o que significa que é mais uma chance de adicionar palavras-chave e gerar interesse da audiência.

Bônus: legendar os vídeos para ter um canal de sucesso no Youtube

Quem tiver a possibilidade de legendar os vídeos, saiba que é uma ótima oportunidade para ganhar mais visualizações. Ao fazer isso, o conteúdo se torna acessível a deficientes auditivos e também permite que pessoas assistam a ele sem som, o que pode ocorrer se o usuário estiver sem fone de ouvido em um lugar público, por exemplo.

Se esse conteúdo sobre o algoritmo do Youtube te interessou, não deixe de conferir nosso guia completo sobre como Como Ganhar Dinheiro no Youtube e se aprofundar ainda mais no assunto!